Web cresce e reduz tempo dedicado à família

Recebi esse artigo de um instrutor nosso, Victor, que traz um dado alarmante: as famílias estão sem tempo devido a Internet.

As pessoas reclamam que não tem tempo, na verdade elas têm, só usam mal. Nada acaba do dia para a noite, casamento não acaba de repente, família não se separa do dia para a noite, tudo é resultado de acúmulo de pequenas coisinhas que quando percebemos não há mais condições de abafar.

Dedique-se ao que é importante de verdade, deixa de ser hipócrita e fuja das coisas que não tem relevância e comece a viver de verdade, com quem realmente precisa de você!

emocional1 Segue o artigo original, publicado no AdNews:

Quer em torno de uma mesa de jantar ou da televisão, as famílias dos Estados Unidos afirmam que têm passado menos tempo juntas. O declínio no tempo dedicado à convivência familiar coincide com a alta no uso da internet e da popularidade nas redes sociais, ainda que um novo estudo não tenha atribuído à tecnologia a responsabilidade direta pela tendência.

O Centro Annenberg para o Futuro Digital, da Universidade do Sul da Califórnia, reporta esta semana que 28% dos norte-americanos entrevistados por seus pesquisadores no ano passado afirmaram que têm dedicado menos tempo à convivência com seus familiares. O total é quase o triplo dos 11% que admitiram a mesma coisa em 2006. Essas pessoas não reportam que estejam dedicando menos tempo aos seus amigos, no entanto.

Michael Gilbert, pesquisador sênior no centro, disse que as pessoas estão reportando menos tempo de convivência com a família no exato momento em que redes sociais como o Facebook, Twitter e MySpace florescem e as pessoas lhes atribuem importância cada vez maior. A base de usuários ativos do Facebook, criado cinco anos atrás, disparou para mais de 200 milhões de usuários, ante 100 milhões em agosto do ano passado.

Enquanto isso, mais pessoas se declaram preocupadas com o tempo que crianças e adolescentes dedicam à internet. Em 2000, quando o centro iniciou suas pesquisas anuais sobre o uso da internet pelos norte-americanos, apenas 11% dos entrevistados diziam que os membros de suas famílias com idade inferior a 18 anos passavam tempo demais online. Em 2008, o número subiu para 28%.

"A maioria das pessoas pensa na internet, e em nosso futuro digital, como ilimitados, e eu concordo com elas", diz Gilbert. Mas, acrescentou, "a convivência física menor entre as famílias não pode ser considerada boa. Isso termina por resultar em famílias menos coesas e menos capazes de se comunicar".

Na primeira metade da década, as pessoas diziam dedicar cerca de 26 horas semanais a conviver com suas famílias. Por volta de 2008, porém, esse tempo de convivência havia caído em mais de 30%, para cerca de 18 horas.

O advento de novas tecnologias de certa maneira sempre influenciou a maneira pela qual os membros de famílias interagem. Os celulares facilitam aos pais saber do paradeiro dos filhos, e oferece a estes uma privacidade indisponível na era da telefonia fixa.

A televisão encurtou os horários de jantar, e a queda nos preços dos televisores fez com que o número destes se multiplicasse, e com isso pais e filhos não precisam mais se reunir na sala de casa para assistirem juntos a programas.

Mas Gilbert afirma que a internet é tão envolvente e requer tanta atenção a mais do que outras tecnologias que é capaz de interferir nas fronteiras pessoais de forma que outras tecnologias não poderiam. "Não é como a televisão, a que uma família pode assistir unida", ele disse. A internet, aponta, é basicamente um espaço de interação individual.

Provavelmente porque podem bancar mais aparelhos com conexão de internet, as famílias de maior renda reportaram maior perda de tempo de convivência familiar do que aquelas que ganham menos. E mais mulheres do que homens disseram se ter sentido ignoradas por um membro da família em troca da internet.

A mais recente pesquisa do centro envolveu 2.030 respondentes selecionados de forma aleatória, com idades a partir de 12 anos, e foi conduzida entre 9 de abril e 30 de junho de 2008, com margem de erro de mais ou menos três pontos percentuais.

2 Respostas

  1. Vale o alerta do artigo. É um fato. Me fez recordar da leitura do Livro “A Terceira Onda” de Alvim Tofller, publicado na década de 80. O livro antecipava, por exemplo, grandes mudanças nas relações familiares. Algumas otimistas, outas nem tanto. O que era futuro, se faz presente.

  2. As necessidades da atividade profissional e social, somadas as urgências na atualização e busca por informações, nos remete ao fato de que que as mudanças nas relações familiares se verificam em função das necessidades do mundo do trabalho. Se em épocas passadas era até possível almoçar, jantar com a familia reunida, isto se torna quase impossível, poís cada mebro familiar tem compromissos diversos, uns de estudo, outros de lazer, outros de trabalho.
    Assim a Web é apenas mais um veiculo-instrumento neste processo de mutação do trabalho.

Responder

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s