Anúncios

76% dos profissionais trabalham mesmo doentes

Presenteísmo é o nome dado ao profissional que vai trabalhar mas tem sua produtividade afetada, por algum tipo real de problema de saúde. Real porque preguiça, má vontade, incompetência não é presenteísmo, é safadeza mesmo.

Esse foi o tema da palestra que fiz no fórum Você RH de Saúde, o assunto é extenso, mas vamos resumir alguns dados:

Atualmente pesquisas mostram que o custo com o presenteísmo pode chegar até 3% do PIB Brasileiro. Claro que são números subjetivos, pois é muito complicado mensurar o presenteísmo, mas dá para ter uma noção do que estamos falando.

sick_at_work

Em uma pesquisa recente do site de empregos Monster.com, com cerca de 33 mil profissionais revelou os seguintes dados:

  • 28% deles não ficam em casa e vão trabalhar doentes pois tem medo de perder o emprego.
  • 35% afirmam que  mesmo sem condições, trabalham devido ao grande volume de atividades e a sensação de não poder perder um único dia.
  • 13% disseram que ficam trabalhando de casa quando estão doentes.
  • Apenas 24% dos entrevistados revelou que prefere ficar em casa e só voltar a trabalhar quando estiverem plenamente recuperados.
    fonte

O problema é serio e está fazendo muitas empreas gastarem milhões de dólares em desperdício de tempo com toda essa improdutividade. O que fazer nesse caso?

1 – Ter um jogo aberto entre empresa e funcionário, permitindo que um problema de saúde identificado seja tratado com dignidade, sem o medo de perder o emprego.

2 – Treinar líderes para identificar funcionários com problemas de saúde e encaminhá-los para tratamento ou acompanhamento médico.

3 – Criar uma área na empresa de qualidade de vida voltada para identificação pró ativa, apoio e suporte de problemas de saúde crônicos como dores nas costas, dores de cabeça, dores de estômago, etc.

4 – Criar uma política de administração de tempo e produtividade corporativa, de forma a ajudar pessoas a terem tempo suficiente para executar suas demandas com equilíbrio para saúde e vida pessoal.

Essas são as principais sugestões que posso citar genéricamente para ajudar a minimizar o impacto do presenteísmo. O problema é sério e exige o envolvimento de todos dentro da empresa.

E você? Já foi trabalhar doente? Como sua empresa lida com essa questão?

Anúncios