Qual o momento certo de parar?

“…nos últimos 4 anos dedico-me a conquistar uma posição de gerência na empresa em que trabalho há 6 anos. Nesta última semana a posição ficou vaga, mas acabei de descobrir que será ocupada por uma pessoa que virá de fora. Falaram que queiram alguém que “pensasse fora da caixa”. Estou arrasada com isso, minha motivação para continuar aqui se foi, mas ainda acho que se persistir minha hora vai chegar. Como você acha que posso investir meu tempo para me preparar para essa vaga quando estiver disponível novamente?…”

Ingrid, com todo o respeito e com a posição de alguém que não acha certo se meter nas decisões de ninguém, mas eu pergunto para você: será que não é o momento de parar? Será que você não está confundindo persistência com teimosia?

Esse foi um e-mail que recebi algumas semanas atrás e prometi para a Ingrid que iria explorar mais essa questão aqui no blog, pois muitas pessoas podem estar passando por momentos similares de vida (não apenas profissional).

Não existe uma resposta certa a essa pergunta, cada pessoa tem de parar e profundamente analisar aquilo que é realmente importante em sua vida, para saber se é o momento de continuar tentando ou simplesmente buscar uma nova rota.

Se for o sonho da sua vida e após refletir muito tiver a certeza que não vai aguentar viver sem ter feito isso, tem mais é de continuar e criar uma estratégia para se tornar relevante ao cargo. Procure cursos que complementem sua formação, reforce seus idiomas, procura uma faculdade de prestígio, aumente seu networking ou se envolva em projetos que ajudem você a dar o próximo passo.plan

Agora se você está fazendo simplesmente porque está talvez, seja o momento de repensar e mudar. A vida não é estática. A vida não pode ser milimetricamente planejada. O medo do novo, de mudar, de experimentar o diferente gera acomodação e é ela que faz você não sair do padrão que criou para você mesmo.

Mudar não é fácil, mas faz um bem realizador. Se quiser dar o primeiro passo para mudar comece a listar tudo que faz rotineiramente, para não cair no erro de reforçar essas ações e desenvolva a lista do diferente.

Um trajeto diferente para o trabalho, um celular diferente, um curso diferente, um evento diferente, uma viagem diferente, um restaurante diferente, um relacionamento diferente, etc. Quanto mais “diferente” você começa a ser, mais o medo de mudar vai deixar de existir. Comece com as coisas pequenas, e você verá que a coragem de mudar coisas maiores vai aparecer.

Não gaste seu tempo à toa, parafraseando meu amigo Miguel Cavalcanti, o mais complicado na maior parte das vezes, não é gestão do tempo, é a gestão da coragem. Coragem de fazer o diferente!

Que tal começar agora? Acesse um site diferente ou mande uma mensagem para uma pessoa diferente! Viva o diferente!