Anúncios

7 Mitos sobre a MultiTarefa

1 – Multitarefa não existe de verdade – Poderíamos dizer que multitarefa seria por exemplo, você ter dois computadores um ao lado do outro e ao mesmo tempo, usar ambos com um mouse em cada mão. Você responde e-mails em um computador e simultaneamente revisa sua apresentação no outro computador. Se você fizer isso e conseguir, parabéns, você é um ser humano dotado de um dom super-humano chamado multitarefa. O que você faz na verdade é “alternância de tarefas”, ou seja, você faz uma coisa, depois pula para outra e assim por diante.

multitasking-580x314

2 – Você não é mais produtivo porque diz que faz muitas coisas ao mesmo tempo – Como você alterna entre as tarefas, você acaba perdendo mais tempo, pois sempre há um “delay” que seu cérebro precisa para dar foco novamente a nova atividade.

3 – Multitarefa é algo da nossa era tecnológica – Desde a idade pré-histórica, temos esse impulso de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Quando começamos a andar com os dois pés, andávamos e colhíamos frutas. Essa tendência foi evoluindo na idade média e até os dias de hoje.

4 – Não aumenta sua produtividade – Pelo contrário, a multi-tarefa, de acordo com a pesquisa da TriadPS com alunos do treinamento de produtividade, a perda de tempo média “multi-tarefando” é algo em torno de 20%. Ou seja, se você passa um dia de 10h multi-tarefando, poderia economizar algo em torno de 2 horas diárias.

5 – Você fica mais energizado – Fazer múltiplas coisas pode ser excitante a primeira vista, mas na prática consome mais recursos do seu cérebro, o que acaba drenando sua performance e disposição. No final do dia, o cansaço mental é tão perceptivo que raramente há vontade de fazer algo novo (como aquela academia que você diz que vai no fim o dia).

6 – Meu trabalho exige múltiplas atividades – Se você insiste nessa ideia, o que se pode observar é o aumento de erros nas atividades rotineiras, o que lá na frente vai causar mais urgências. Em um caso documentado, Dr. John Halamka, reportou o caso de um grupo de médicos que decidiu parar de fornecer o remédio para afinar o sangue de um paciente, mas durante o processo de colocar essa ordem no sistema, o médico recebeu vários SMS sobre uma festa. A ordem nunca foi colocada no sistema e o paciente quase veio a óbito, sendo necessária uma cirurgia cardíaca.

7 – Mulheres conseguem multitarefar – Sem dúvida essa é uma frase ouvida constantemente, porém sejam homens ou mulheres, os efeitos da multi-tarefa no cérebro e no seu tempo são os mesmos.

Anúncios

Por que fazer aquilo que você ama nem sempre funciona?

Quem não conhece alguém que vive dizendo que precisa mudar de vida, buscar aquilo que realmente ama e passar a viver de acordo com a frase célebre de Confúcio: “Ache um trabalho que você ame e nunca mais precisará trabalhar na vida”?

I Love My Job

O conceito é legal, a ideia motiva, mas na prática não é bem assim que funciona. De que adianta amar Surfar 24h por dia e na prática não conseguir recursos que mantenham outros sonhos rodando? De que adianta ser altruísta e largar a vida para ajudar os outros enquanto você nem ajuda a si próprio?

Você pode achar duro mas é a realidade. Talvez você não consiga ser tão bom fazendo aquilo que ama fazer, talvez a coisa que ama não gere recursos financeiros que permitam você se sustentar com o mínimo de conforto ou talvez você seja até ruim em fazer o que ama. Sei lá! Não é porque ama que vai dar certo.

Vamos parar com essa hipocrisia moderna sobre queimar as suas pontes para ir a um novo lugar, totalmente focado no que você ama de verdade. Largar sua carreira de executivo para virar filósofo ou jardineiro, pode funcionar para algumas pessoas, mas são exceções das exceções. Para a maior parte das pessoas essa ideologia acaba em frustração, privação e arrependimento.

Christian, então você quer dizer que devo ficar onde estou, mesmo não gostando? Claro que não! Se não está legal, é óbvio que precisa mudar. O que estou dizendo é para escolher algo que você faça muito bem e deixe você feliz de verdade, orgulhoso do seu trabalho e com isso gere recursos, tempo e energia para vivenciar as coisas que ama com periodicidade.

Você não precisa ser igual a esse monte de gente falsamente feliz, que vende uma imagem de que largou tudo, virou pescador e agora é a pessoa mais realizada do mundo. É necessário que você entenda que é muito mais fácil se dedicar a um dom que você já tenha para gerar resultados, pois assim você conquistará seu equilíbrio muito mais facilmente.

Eu amava falar sobre produtividade, mas quando larguei a T.I. para me dedicar a esse assunto, eu já tinha estabilidade e independência financeira, não dependia do meu “amor sobre produtividade” para viver. Caso contrário estaria frustrado e quebrado! Leva tempo para as coisas acontecerem e a maior parte das pessoas não tem esse tempo, planejamento e até mesmo dinheiro para tentar viver pelo que ama. Por isso encontre aquilo que você faz bem, que te faz feliz e use isso para então viver pelo que ama.  Entendeu a diferença?

O que você faz muito bem? O que seus talentos executam com um nível de diferencial que permite você se destacar no seu mercado? O que você faz que gera um retorno financeiro sem matar seu equilíbrio pessoal? Foque nos seus dons e através deles viva pelo que ama! Isso faz você ser próspero de verdade e não um hipócrita que vive sem trabalhar todos os dias!

Carros: Escolha Bem e Economize Tempo by Leandro Mattera

Com o desespero das montadoras devido ao péssimo ritmo do mercado, começou a onda de descontos e juros zero. Esse post do Leandro, que é um especialista em carros, vem bem a calhar para você escolher o carro certo, sem perder tempo e dinheiro.

 

Nos últimos anos, aumentaram as opções de carros no Brasil, com lançamentos e a chegada de novas marcas. Com tantas possibilidades, o processo de escolha de qual carro comprar pode ser demorado.

Esse cenário é mais complexo porque temos os veículos mais caros do mundo. Além disso, grande parte não oferece padrões adequados de qualidade e segurança, quando comparados com similares do Primeiro Mundo.

Como sabemos, quando há muitas opções, podemos ter dificuldades para decidir. Isso pode levar à procrastinação, a pesquisas intermináveis ou a decisões equivocadas, que costumam envolver:

(i) Compras impulsivas, normalmente motivadas pelo design;

(ii) Influências externas, como do marketing ou de amigos e familiares; ou

(iii) Análise superficial dos impactos financeiros.

Para superar essas situações com eficiência, foi desenvolvido o Método “Seu Carro C.E.R.T.O”, considerando a minha experiência como consultor automotivo pessoal na Carro e Dinheiro. Basicamente, os fatores que merecem análise são:

a. Necessidades: o que efetivamente é preciso em um determinado veículo, conforme o perfil pessoal;

b. Qualidade: para identificar um bom carro, em termos de projeto e características;

c. Segurança: considerando mecanismos de segurança ativa e passiva, com o objetivo de evitar acidentes ou atenuar seus resultados;

d. Finanças: levando em conta todos os impactos financeiros ao longo do tempo, desde a compra até a venda;

e. Lado Emocional: para conciliar o gosto pessoal, após a verificação de todas as outras prioridades.

É aconselhável realizar esse processo de pesquisa antes das visitas às concessionárias. A sugestão é chegar às três melhores opções teóricas e, depois, avaliar as condições reais, inclusive realizando o test-drive.

Uma boa escolha pode gerar mais tranquilidade. Para tanto, recomenda-se priorizar marcas com bom pós-venda, cujos intervalos para revisão sejam maiores e que apresentem boa disponibilidade de peças.

Nesse sentido, pensando nas pessoas que dão valor ao seu dinheiro e ao seu tempo, recentemente publiquei o livro digital “Como Escolher o seu Carro Ideal”, que convido você a conhecer no site: www.oseucarroideal.com.br.

Afinal, somente com escolhas mais conscientes dos consumidores é que poderemos ter melhores condições no nosso mercado.

Obrigado pela atenção.

Leandro Mattera

Especialista no tema carros e finanças, é fundador e Consultor Automotivo na CARRO E DINHEIRO – Consultoria Automotiva Pessoal. Autor do livro digital "Como Escolher o seu Carro Ideal".

Férias tornam sua vida mais produtiva

Uma série de estudos científicos tem falado da importância de descansarmos para melhorarmos nosso rendimento. Estamos chegando perto do fim do ano e esse é um período que muitas pessoas têm alguns dias de folga por causa das emendas de Natal e Ano Novo. E não reclame de serem apenas alguns dias.

As férias não precisam ser de um mês ou quinze dias para serem benéficas. Um estudo da Universidade de Tampere, na Finlândia, demostrou os benefícios entre dez ou cinco dias de férias. Os trabalhadores pesquisados reportaram que se sentiram mais energizados, felizes e menos tensos. Em ambos os períodos de férias (curtos ou longos) o resultado foi o mesmo.

Quando você está naquele dia de calor insuportável, um banho refrescante durante a tarde não é revigorante? Férias curtinhas têm o mesmo poder!

Férias revitalizam o corpo e a mente distanciando as pessoas do estresse diário, porém, se não for possível desfrutar de férias mais longas, as curtinhas já dão uma boa ajuda. Claro que quanto mais tempo você tiver para descansar, melhor. Isso nem se fala, mas pequenos momentos podem ser muito positivos. Algumas pessoas dizem que têm dificuldades em se “desligar” nesses poucos dias, mas é uma questão de realmente se acostumar e criar pequenas estratégias.

Comece a tirar férias mais regulares e mais curtas
Muitas empresas permitem acordos de férias em pequenos períodos, se esse é o caso da sua empresa, aproveite! Saindo na sexta-feira, pegando uma semana, você tem nove dias ao todo de descanso. É bastante coisa.

Sábados & Domingos podem ser úteis também
Em geral, aproveitamos o fim de semana para fazer um monte de coisas em casa e estudar aquilo que não fazemos durante a semana. Eu costumo fazer isso também, mas adotei a política de não ligar o micro nos sábados e aos domingos faço isso somente no período da noite para planejar a semana. Isso ajuda a desligar.

Considere um pequeno descanso ao longo dos dias
A famosa “cochilada” depois do almoço é considerada, por uma série de pesquisadores, benéfica para aumentar produtividade diária das pessoas. Particularmente, não gosto de tirar essa soneca, mas pequenas coisas podem ter benefícios semelhantes. Por exemplo, eu gosto de ver uma série de TV logo depois do almoço (você pode ver isso no celular, tablet ou internet), ajuda bastante a relaxar a mente. Além disso, você pode se desligar durante uma leitura, ouvindo música ou dormindo no carro – meu pai tem o hábito de cochilar 15 minutos no carro na volta do almoço.

Aproveite o tempo livre que terá no fim do ano para relaxar, descansar e desconectar. É a melhor forma de manter sua produtividade e reduzir o estresse em 2014! Crie alternativas e ideias para isso. Lembre-se que quem quer faz, quem não quer arruma uma desculpa.

Até a próxima!

7 coisas para dar um basta na sua vida

A vida é curta demais para fazer um rascunho dela, o tempo não é seu amigo, ele passa você sem avisar ou pedir permissão. Por isso peguei algumas reclamações típicas que recebo no blog, que você deveria dar um basta:

v2stop-sign

1 – Emprego Chato – Cansou do chefe? O emprego não te realiza? Não te ajuda a crescer profissionalmente? Não consegue mudar de área? Até quando você vai tolerar isso? Mesmo em tempos difíceis o mercado ainda tem muita vaga disponível para pessoas de atitude. Se não tiver no mercado, talvez você possa tirar um velho sonho da gaveta e começar um plano B enquanto está no emprego atual. O que não pode é investir a maior parte do seu tempo acordado em algo que te deixa triste, frustrado, desmotivado e de saco cheio.

2 – Saúde Instável – Se você está sempre doente, sempre gripado, sempre com dor de estomago, é provável que seu corpo esteja falando algo que você não está querendo ouvir. Talvez seu estresse esteja destruindo seu sistema imunológico, mas até quando? Vai precisar ficar de cama no hospital para descobrir que é o momento de dar um basta nisso? Procure uma alternativa séria de tratamento, uma mudança de comportamento e uma vida mais equilibrada.

3 – Falta de prazer – Não pode comer aquele chocolate que você ama? Não está conseguindo fazer aquela viagem dos sonhos? Não consegue mais ter um orgasmo com seu parceiro? São tantos prazeres que a vida nos leva por falta de tempo, coragem, atitude de mudar, dizer um não e etc. O prazer em seu sentido mais amplo, rejuvenesce, aumenta sua felicidade, sua motivação, sua saúde. Rir é comprovadamente uma forma de viver mais, sem dúvida.

4 – Desorganização – A aplicação correta e persistente de um método como o Triad podem ajudar você a ter um planejamento que dê mais resultados, menos tempo procurando informações que você já tem, reduzir o número de esquecimentos e por ai vai.  Dê um basta de uma vez na sua desorganização, falta de tempo e urgências. Aprenda a ter mais controle sobre seu tempo.

5 – Deixar seu importante para depois – Pense em algo que realmente deveria fazer e que traria muito resultado na sua vida? Se é tão importante e traz bons resultados, por que não faz? Provavelmente pelo fato que você só faz quando a coisa é urgente, pois se acostumou assim. Infelizmente, meditação, praia, esporte, leitura, academia, amigos, dificilmente serão urgentes.

6 – Rede Sociais – Eu não sei você, mas o Facebook está enchendo um pouco o saco. Antes tinha mais coisa útil por lá, hoje é mais raro de achar. Será que você está dedicando muito tempo para redes sociais e pouco tempo para as coisas que deveria realmente fazer? Em geral nosso problema não é de tempo, é mau uso do nosso tempo.

7 – Falta de leitura – Essa é uma reclamação tão frequente que as pessoas nem acham estranho comprar livros, deixar em casa e nunca ter concluído a leitura. Ler, na minha opinião, é uma das coisas mais importantes que deveríamos fazer. A leitura nos faz sonhar, aprender, dá vontade de mudar, etc. Dê uma basta nisso, escolha 1 livro, coloque esse livro na sua bolsa, no seu sofá. Prometa algo a alguém se não ler esse livro em um mês e comece a ler agora!

O que você precisa dar um basta na sua vida?

A Onda do Home Office

06192009_familytime

Nas últimas semanas tivemos uma serie de ações e reuniões em grandes empresas sobre seus programas de home office. Parece que, finalmente, um sonho sobre o qual muita gente falava há alguns anos está se tornando realidade de fato.

Esse movimento é muito positivo. Ele vai ao encontro dos anseios de muitas pessoas que não aguentam mais o volume de interrupções inúteis geradas no escritório, o trânsito absurdo que enfrentamos na ida e volta ao trabalho ou do tempo perdido em reuniões desnecessárias.

Trabalhar de casa vem do passado, isso já existe há muito tempo. O trabalho começou de casa. Na idade média as pessoas produziam em suas casas. Garagens foram propulsores de grandes empresas de tecnologia no mundo. Trabalhar de casa é o começo do mundo e estamos retornando a isso.  A diferença de hoje é que o home office tem sido chamado de “tele trabalho”, pois você não precisa estar em casa, você pode estar no Starbucks ou em qualquer lugar e trabalhar do mesmo jeito.

Ao mesmo tempo, você tem ouvido histórias de fracasso nessa onda. Provavelmente você ouviu falar que a CEO do YAHOO disse que trabalhar de casa não funciona e, também, já ouvi alguns lideres dizendo que precisam estar vendo a pessoa para a coisa funcionar. Por que algumas iniciativas têm falhado?

Acho que não tem uma única resposta, mas um conjunto de fatores. Primeiro: pessoas que não têm este perfil não deveriam optar por essa modalidade de trabalho, e não há nada de errado com isso. Tem gente que precisa de outras pessoas para ser produtiva, pois precisa do movimento do escritório. Se forçar a barra essa pessoa começará a ficar triste, desmotivada e passará a não gerar mais o resultado e nem saberá direito o porquê.

Segundo: porque não basta ter tecnologia para fazer o tele trabalho, é preciso treinar as pessoas para trabalharem de forma colaborativa à distância. É preciso treinar os líderes para entender que eles não compram o “corpo” da pessoa e sim o “cérebro” dela. É a diferença entre o tempo e o resultado. O tempo do ponto já passou, é o resultado que buscamos.

Terceiro: porque têm modelos de negócio que simplesmente não funcionam à distância. Para o Yahoo não deu certo. Em alguns negócios como, por exemplo, um time de criação, estar junto ajuda a fluir as ideias, e quando falo juntos, falo na mesma sala, olhando e brincando.

Implantar um programa de tele trabalho é uma coisa séria, exige muitas disciplinas em conjunto a serem tratadas, de questões legais a comportamentais. Eu acredito que dá resultado e defendo que, se você tem a oportunidade de fazer isso, agarre com os dentes. Se você é líder, pense a respeito de forma bem planejada, pois, com definições claras de resultado, o processo pode funcionar muito bem.

A maior prova de que trabalhar de casa vem do passado é que no Brasil a nossa lei trabalhista vem da época das cavernas e os nossos políticos estão gastando seu tempo com tantas coisas importantes que têm se esquecido de rever essa questão na CLT, mas isso é uma história para o futuro.

Bom trabalho de casa!

Você está doente, desanimado, estressado ou tudo ao mesmo tempo?

doente

Conversando com um leitor no aeroporto, que falava sobre o porquê ele não fazia o que deveria ser feito para ter mais equilíbrio e resultado, ele levantou uma questão interessante. Faz três anos que ele vive entre altos e baixos com a sua saúde. Nos melhores momentos ele dá um gás em direção ao que ele busca, mas logo depois vem algum problema de “saúde” que gera o desânimo, cansaço e a paralisação.

Ele foi ao médico, mas apenas para soluções pontuais, começou o coaching, que o ajudou, mas parou na metade. Agora ele está na terapia e começou a descobrir a possível origem dos seus problemas de “saúde”. Está animado e prometeu me escrever contando o resultado.

Com certeza você conhece alguém que rasteja pelo dia, cansado, desanimado ou sempre reclamando de alguma doença que surgiu de forma inesperada. Sempre há algo que não permite que a pessoa tenha sua plena performance em ação e, com isso, os anos vão passando nesse padrão.

Eu acredito profundamente que todos os nossos problemas de saúde tem uma lição a nos ensinar. No auge do meu estresse, eu não fiquei mal à toa, eu precisava aprender a diminuir o ritmo. Se eu não tivesse ficado doente, nunca teria mudado.

Se você está doente, precisa procurar um médico, não pode adiar. Além disso, se pararmos para entender a lição por trás do problema, talvez possamos descobrir que temos um ciclo: a rotina gera estresse, que por consequência mina nosso sistema imunológico, acabamos perdendo o ritmo  e isso pode gerar um inexplicável  desânimo.

O problema pode ser o emprego, o chefe, os colegas, os sistemas, os clientes, etc. Pode ser também algo interno que você precisa descobrir com ajuda de alguém. Qual é a solução? Eu não sei, acho que não existe uma resposta fácil para isso. Porém, ela começa com você querendo buscar um padrão, o que nem sempre é fácil.

Acredito que com a vida, não podemos ser mornos. Temos que tomar um partido. Deixar-se levar é uma opção para os fracos, os que mais cedo ou mais tarde desistem. Se não temos as respostas, precisamos começar a fazer mais perguntas:

  • O que afasta você de ir em direção ao que te traz felicidade?
  • O que te deixa doente de verdade?
  • Quais são as coisas com as quais você não suporta mais gastar tempo?
  • Quais são as coisas que merecem mais tempo na semana?
  • Qual o próximo passo prático que você vai dar para se sentir melhor nos próximos sete dias?
  • Que tipo de especialista você deveria contratar para te ajudar?
  • O que você precisa mudar na sua rotina?
  • Quem você precisa tirar da sua vida? E quem precisa estar mais na sua vida?
  • Como aproveitar os finais de semana para evoluir?
  • Qual a próxima pergunta que você deveria se fazer?

Se você não tiver tempo para mais nada, pelo menos salve tempo para arrumar sua vida. Ninguém poderá fazer isso por você.

Boas perguntas!