Cuidado com o excesso de eventos de fim de ano

Fim de ano é comum aumentar o volume de eventos, festas, happy hours, visitas, etc. Na maior parte dos casos temos mais convites do que tempo para atender e por isso precisamos ser bem seletivos.

Quando eu gravei o Agenda do CEO com o Acácio Queiroz, presidente da Chubb Seguros, um dos pontos que ele abordou foi justamente esse. Ele comentou da quantidade de eventos que recebe e como faz para selecionar aqueles que ele vai e os que irá abdicar.

Eu percebo que isso tem muito a ver com estilo pessoal. Pessoas mais festivas, extrovertidas, sociais gostam de participar do maior número de eventos possíveis. Há certo orgulho e benefício pessoal ter a agenda cheia de eventos. Minha sogra é um exemplo, ela vai até em velório de cachorro.

Outras pessoas são um estilo mais introvertido, não gostam de festas, eventos, etc. e sempre que tem uma oportunidade preferem ficar em casa ou entre as paredes do escritório. E há os que estão entre os dois extremos, nem muito social nem muito caseiro.

Nas próximas semanas você vai receber um monte de convites e se você não se controlar vai lotar a agenda, vai deixar coisas importantes de lado e a sensação de que o fim de ano voou vai piorar ainda mais. Antes de sair aceitando os convites, veja algumas coisas que podem facilitar sua decisão de não ir:

1 – Será prejudicial a minha agenda – Se o compromisso pode comprometer de alguma forma a partyexecução de atividades importantes, relacionamento familiar, tempo para você, etc. é um daqueles que você poderá deixar para um segundo momento.

2 – Não será um diferencial para o meu networking – Existem eventos que você terá as mesmas pessoas, os mesmos assuntos, os mesmos conceitos e de nada agregará. Será apenas mais um encontro com pessoas que você gosta. Nesse caso talvez seja o momento de pular esse encontro e deixar para uma próxima oportunidade.

3 – Estou desesperado para vender – O pior tipo de networking é aquele que há um desespero de se relacionar, aonde você vai naquele evento para dar a grande tacada. Esse tipo de networking é nocivo. O que mais funciona em minha opinião, é aquele de médio-longo prazo, onde há relacionamento e não escambo de favores.

4 – Vou para cumprir tabela – É a festa de um cliente, o diretor me pediu, o amigo pediu para acompanha-lo, etc. Esse tipo de evento é o mais difícil de ter a coragem de dizer não e também um dos mais comuns. Eu resolvi assumir uma postura fiel a meus princípios e ser honesto comigo mesmo. Eu não sou boneco de vitrine e não vou para cumprir tabela. São raríssimas as exceções para essa regra, mas aprendi que mais vale dizer um não e ficar com a consciência tranquila, do que a culpa por ter negligenciado meus pensamentos e tempo.

Agenda de fim de ano é curta, se você não cuidar, fica ainda mais apertada. Pense bem antes de aceitar o próximo convite que aparecer no seu e-mail. É importante ter coragem de dizer não, às vezes só parece mais difícil do que realmente é.

Porque eu não acesso minha “Caixa Postal”

Quando fui ao programa Jô, ele fez uma pergunta que nunca ninguém havia me feito, provavelmente porque a produtora do programa reparou que a mensagem da caixa postal do meu celular diz mais ou menos assim:

“..Obrigado por ligar, mas infelizmente não posso atender nesse momento, por favor não deixe recado na caixa postal, tente novamente em alguns minutos ou me envie um e-mail….” (na pessoal e corporativa a mensagem é a mesma)

Eu fiquei surpreso com a pergunta, pois nem lembrava mais desse fato. Ontem reparei que no meu Facebook em “Mensagens e Outras mensagens” tinha um monte de mensagens não lidas, pois também raramente eu acesso a “caixa postal” do Facebook.

carteiro caixa postal revolver perigosa

Eu optei por não acessar minhas “caixas postais” pelo simples fato de quando eu faço isso, eu duplico, triplico ou quadruplico o numero de Caixas de Entrada que eu tenho para processar. O meu e-mail eu vejo em média 4x por dia, às vezes 6x por dia, dependendo de onde estou. Nesse momento foco durante uns 20 minutos em transformar os e-mails em alguma coisa (resposta, tarefa, reunião ou arquivo), depois fecho o Microsoft Outlook e vou trabalhar.

Se eu tiver que me preocupar em ver as outras “Caixas Postais” eu vou gastar mais tempo, ou pior, eu posso esquecer e deixar coisas realmente importantes sem serem feitas e ai pode ser tarde demais.

Como só tenho o e-mail como caixa de entrada, eu nem me preocupo e tudo fica centralizado. No começo as pessoas deixavam mensagens, hoje apenas o meu amigo Anderson Cavalcante deixa, quando tem mensagem já tenho certeza que é ele em 99% dos casos. Mesmo nesse caso, ele sabe que quando é algo para ser feito ele me envia e-mail ou liga depois.

E se a pessoa não tem meu e-mail para enviar ao invés de deixar recado? Então é um vendedor, corretor, telefonista de telemarketing, etc.. nunca tive problemas com isso. Se alguém quiser me achar para algo importante de verdade, sabe os meios corretos!

Minhas opiniões sobre a experiência de acordar mais cedo

Conforme expliquei anteriormente, eu resolvi testar a pesquisa que fala que as pessoas que acordavam mais cedo tinham mais resultados. Particularmente, eu tenho que concordar com a pesquisa. Essa hora adicional no dia faz muita diferença e pelo que as pessoas comentaram fez para elas também.

Porém é preciso entender alguns pontos positivos e negativos dessa experiência. Em primeiro lugar acordar cedo não é algo que todo mundo goste ou até que possa fazer. É preciso treinar seu cérebro para aceitar essa mudança e fazer isso de forma harmônica com seu corpo, caso contrário, vai ter problemas com sua imunidade e disposição.

acordarcedoClaro que para o corpo se adaptar é preciso dar tempo ao tempo, ou seja, não adianta acordar cedo hoje, pular amanhã e voltar depois. É preciso dar rotina ao seu corpo. Essa foi a parte mais complicada para mim na experiência, pois como eu tenho uma agenda de viagens intensa, boa parte dos dias eu acordava bem mais cedo ou fora do padrão para poder pegar a estrada ou o avião. Com isso meu corpo nunca sabia “acordar sozinho” no horário, pois ele não tem um horário dele. Eu procurei colocar o despertador as 6h30 e seguir essa rotina, mas nem sempre foi possível.

Ter uma hora a mais no dia foi super positivo para dar andamento a algumas coisas importantes, como por exemplo, a leitura de alguns livros, a preparação do EAD da Triad, pensar na estratégia da empresa, etc. Coisas que eu faria, mas com essa hora adicional eu fiz isso e muito mais. Eu tinha uma média de planejar 7h para 10h de trabalho, com isso eu consegui aumentar meu planejamento em uma hora.

Em alguns dias eu aproveitei e fui para o tênis, o que eu descobri que durante o jogo, meu corpo não tem o mesmo rendimento pela manhã, porém ao longo do dia o exercício logo cedo faz muito bem.

A parte ruim de acordar mais cedo é que por volta das 22h eu já estou praticamente capotado, com bastante sono e isso atrapalha minha novelinha e minhas séries que gosto de ver. Uma coisa compensa a outra? Talvez! Em alguns dias eu negligencie a TV em outras optei por ela.

Em resumo eu gostei da experiência, e devo manter esse padrão na minha vida, mas claro que com bastante bom senso e respeitando os limites do meu corpo!

E você, como foi sua experiência?

Você está sobrecarregado?

too-busy-to-matter

Sua vida está no limite? Cheio de tarefas para fazer e pouco tempo? Nada de esporte, tempo para você, tempo para os amigos? Anda sempre cansado e não tem disposição para fazer nada de útil?

Se você está assim você não é o único, muita gente está vivendo sem equilíbrio. É mais comum do que você imagina. Muita gente vive ocupada, nunca tem tempo para nada, mas essa não é a questão. O que temos que nos perguntar é se estamos ocupados com as coisas que realmente deveríamos estar.

Já parou para pensar que na maior parte dos casos estamos sobrecarregados porque simplesmente aceitamos essa situação em algum momento? Muita gente gosta de estar assim, dá status, dá poder, dá automotivação. A questão é até quando.

A verdade é que não é “chique” viver sem agenda pra nada, sair do escritório todos os dias muito tarde, não ter final de semana, não fazer esporte, não se divertir. Na verdade é bem triste o que você pode estar fazendo da sua vida.

too-busy-to-exercise

Acorda! Se você enfartar hoje de estresse por causa da sua rotina, todo mundo vai chorar e a vida vai continuar. Ninguém é insubstituível. Ou você pega leva com você ou a vida vai pegar pesado por você!

Estamos quase no meio do ano, eu costumo recomendar uma pausa estratégica nesse período para “revisar os objetivos anuais, o equilíbrio, os resultados obtidos”. Analise como foram seus meses até aqui e veja se quer repetir esse padrão.

Sempre é possível dizer um não, limitar seus horários, delegar mais, aprender técnicas modernas de gestão do tempo, usar melhor seu e-mail, permitir ao time tomar decisões, mudar de emprego, começar um esporte, etc. Você que manda na sua vida, não é?

As pessoas não fazem o que deveriam fazer e por isso perdem seu equilíbrio, que por consequência leva a perda do seu resultado mais cedo ou mais tarde!

Para pensar!

Ps.: Meu novo livro que fala sobre isso está na pré-venda na Saraiva, reserve o seu aqui.

É preciso conciliar família e trabalho

Esse fim de semana participei do evento CEO’S Family Workshop, do João Doria Jr., que reúne 300 famílias de CEO´S de grandes empresas Brasileiras. É um evento muito gostoso de participar e de ver, por valorizar essa relação entre Pais atarefados & Filhos.

Muitos empreendedores e executivos de alto escalão vivem apregoando por ai que para chegar ao topo é preciso escolher entre o sucesso e sua família. Alguns chegam a afirmar que é impossível ter resultados com equilíbrio.

Eu acho que podemos ter o melhor dos dois mundos, que é sucesso com família junto, ou não vai valer a pena lá na frente. E isso é mais do que uma pressão da empresa, é uma questão de escolha pessoal.

happy_family_2704990_oxhd1

Enquanto nossos filhos são pequenos, acredito que até seus 15 anos, eles tem uma vontade intrínseca de serem nossos amigos, de querer partilhar o mundo deles, de chamar a atenção, etc. Depois dos 15 (talvez com 13) eles têm seu próprio mundo, seus amigos, suas escolhas e ai quem não vai ter tempo pra gente são eles. Se você não conquistou a amizade, o respeito e o carinho dos seus filhos, depois de certa idade, tudo fica mais difícil, não impossível, mas mais complicado.

Infelizmente a vida não permite que estejamos 100% do tempo com eles (ou felizmente, porque ficar 100% do tempo com meu filho também seria muito chato para ambos!). Talvez quando você saia de casa, eles ainda nem acordaram e quando você chega estão dormindo. Nesse caso a gente precisa é querer criar momentos para os filhos.

As oportunidades são inúmeras, como por exemplo, os finais de semana que você poderia deixar o smartphone e o notebook de lado e passar tempo de verdade com eles. Desenvolver a rotina de jogar videogame ou jogos educativos como um banco imobiliário/jogo da vida, lembrar deles no meio do dia com um simples telefonema e dizer que sentiu saudades e perguntar como eles estão,etc. Se você fica sempre até mais tarde na empresa, porque não pedir ½ período para o seu chefe de um dia mais tranquilo e fazer uma surpresa para os filhos?

Nessa fase de minha vida, apesar do volume de viagens, eu tenho tempo com meus filhos. Quando chego em casa eles ainda estão acordados e conversamos, eu ajudo meu mais velho no computador e estou dando algumas aulas de programação. Eu tenho altos papos com meu filho mais novo, que quer empreender mas não sabe o que ainda.

Eu coloquei o meus mais velho (e agora o mais novo vai entrar) no Tênis de sábado, assim a gente fica na mesma aula juntos e cooperando para jogar, que acaba criando um vínculo de confiança mútua (ele já me contou diversos segredos).

tennisfamily

Para mim é sagrado, pelo menos dois períodos por ano de férias em família, para um lugar com foco nas crianças. Apesar de que o João Doria Jr., o Gilberto Cury (da SBPNL) e outros amigos fazem uma coisa bem interessante, que em breve irei fazer: viagens individuais, de curta duração com cada um dos filhos. Eles dizem que é uma forma de aproximação e doação única! Vou experimentar a fórmula, em breve.

O importante é você se tocar, que de nada adianta você ficar trabalhando 20 horas/dia na empresa, encher o bolso de dinheiro e depois não ter família para aproveitar tudo isso. De que adiantou?

Se você não preenche o tempo dos seus filhos, alguém vai fazer isso por você. Peça a Deus que não seja o traficante, as amizades ruins ou coisa pior. Faça o hoje um tempo que te dê orgulho, quando você tiver 90 anos de idade e olhar para trás.

Faltam 294 dias para você aproveitar com sua família até 2013, vai esperar ficar doente para eles falarem com você ou vai fazer algo AGORA por eles?

Como finalizar aquela tarefa chata que você está adiando?

Todo mundo, por mais que goste do seu trabalho, tem uma ou outra tarefa chata para ser feita ao longo do dia. Em geral o que acontece naturalmente é priorizarmos o gostoso e deixamos o chato para o final. Isso faz a coisa empacar, porque no fim do dia estamos cansados e ai que nada vai ser feito mesmo.

clip_image002

Meu novo livro que será lançado esse semestre, estuda com profundidade essa ideia, e deu para perceber que tem gente que realmente abusa da “auto procrastinação”. Tem pessoas que chegam a adiar tarefas dezenas de vezes ao longo do ano, quando pesquisamos isso no sistema Neotriad.

Se você é mais uma dessas pessoas que entra nesse perfil, não se culpe tanto assim, afinal todo mundo procrastina, seja ao apertar o botão “soneca” do despertador até tarefas chatas. Dá para vencer esse mal? Erradicar a procrastinação da vida é impossível, mas podemos criar “atalhos” ou “trapaças” para nosso cérebro ter mais vontade de fazer:

1 – Coloque as coisas mais chatas em seu período de maior produtividade mas sempre em pedaços pequenos que não ultrapassem 30 minutos. Se a tarefa durar por exemplo 2h, faça em 4 períodos de 30 minutos ao longo do dia ou distribua em diversos dias.

2 – Quando for começar a tarefa e der preguiça, pense no pior e no melhor que pode te acontecer se você fizer ou adiar a tarefa. Coloque bastante emoção e veja o resultado.

3 – Adicione fatores prazerosos durante ou pós a atividade, como por exemplo, música, um bombom de presente, um intervalo, etc.

4- Se a tarefa exigir muitas decisões, faça um intervalo, alimente-se adequadamente (cerais, frutas, etc.) e inicie a atividade. Existe uma relação direta entre alimentação e capacidade de decisão de acordo com recentes pesquisas.

Se nada der jeito, planeje a atividade para outro momento, de preferencia mais tranquilo e veja se acontece. Se não der jeito, peça ao seu chefe para colocar um prazo bem apertado para você! Rssrsr

2012: fim do mundo ou da mediocridade?

Hoje é o primeiro dia útil de 2012, um ano igual a qualquer ano. A diferença desse ano para os demais é o marketing que ele tem. Teve filme com nome de 2012, tem um monte de profecias de fim mundo só para ele, teve propaganda de banco, teve até um calendário criativo que recebi da Revista Administradores que vai apenas até o dia 21/12 (data que o mundo acaba!).

mediocridade

Esse ano deveria ser o fim da nossa mediocridade pessoal e não o fim do mundo. De acordo com o dicionário Houaiss, medíocre é aquilo que é de qualidade média, comum, modesto, pequeno. Será que 2011,2010, 2009, etc não foram anos modestos, comuns, medíocres?

Será que muitas pessoas não fazem a vida ser medíocre?

Sim, eles as pessoas fazem e se conformam com isso. É medíocre o tempo que dedicam para fazer a carreira dar uma guinada, é medíocre o tempo que dedicam para a família, para seus sonhos, para si próprio. É fácil ser medíocre, é fácil estar na média ou se igualar por ela.

Faça 2012 o ano do fim da mediocridade pessoal. Adote uma nova postura, pare de reclamar que não tem tempo, quando na verdade você é preguiçoso para planejar, esquece de todo dia anotar e priorizar o que deve ser feito. Para de ser medíocre nos seus resultados e no seu equilíbrio.

Eu quero um 2012 bem acima da curva, bem longe da linha da mediocridade. Eu vou lançar meu novo livro no primeiro semestre (falta 1 capítulo!), eu vou empreender mais além da Tríade, eu vou ousar mais em coisas que tenho sido comedido, eu vou aumentar em 65% meu patrimônio, eu vou fazer a Tríade bater as metas novamente (parabéns ao time por 2011!), eu vou ajudar mais pessoas a terem mais vida. Eu vou fazer aquilo que a minha mente permitir não aceitar a mediocridade.

2012 é o ano realmente o ano do FIM. Do fim da mediocridade de tudo que fiz. 2012 é o ano de estar acima da média.

E VOCÊ?

Feliz 2012, o ano do fim da mediocridade.