Anúncios

Como anda a sua carreira?

Uma das coisas que mais tenho ouvido ultimamente é a reclamação de profissionais, que olhando de fora, parece que a carreira está de vento em polpa: cargo legal em uma multinacional, bônus no final do ano, possibilidade de crescimento profissional, etc. Porém a verdade é que não há felicidade, e obviamente por consequência não há engajamento e o resultado fica comprometido para ambas às partes.

plano-de-carreira

Foi-se o tempo que salário era o fator definitivo para uma carreira ser classificada como excelente, hoje são tantos fatores e variáveis que a coisa está muito confusa. Existe o time das pessoas que não sabe se está feliz, mas tem a certeza de que ainda não alcançaram o ápice do seu talento. Existe o time das pessoas que estão completamente infelizes e estão desesperadamente procurando o plano B. E ainda temos o time dos contentes, que nem pensam em mudar nada e só querem aproveitar a boa fase, esse último sem dúvida em menor número.

Mudar de carreira ou melhorar sua carreira é algo que precisa ser bem pensando, que precisa de tempo e planejamento. Precisa levar em conta suas aptidões, seus pontos fortes, seus talentos naturais. Descobrir algo que não só você goste de fazer mas que tenha um retorno financeiro também. E isso pode ser dentro até da própria empresa que está hoje.

Algumas pessoas já pensam em mudar totalmente, criar um plano B, C ou D. Mudar de País, de segmento de atuação, virar empreendedor ou entrar em um período sabático para decidir o que fazer.

Recentemente, um cliente nossa da TriadPS, pediu uma palestra sobre o tema: “Tempo para Reinventar a carreira”, que foi dada a um grupo de 200 profissionais. Jogo aberto, limpo e com as possibilidades na mesa. O objetivo era ajudar as pessoas a refletirem sobre seus talentos, engajamento e como poderiam ajudar a empresa a unir todas essas coisas. Tivemos um bom resultado, saiu quem precisava sair e ficou quem realmente estava afim.

Quero voltar nesse assunto em breve, porém com dados, estou fazendo uma rápida pesquisa sobre o tema de carreira. Como anda a sua? Conta pra mim? A pesquisa leva uns 3 minutos para ser respondida: http://goo.gl/wb3glf e quem responder, poderá participar gratuitamente de uma palestra online sobre o resultado desse levantamento no final do ano. Não deixe de compartilhar esse e-mail com seus colegas de trabalho!

Anúncios

Sua carreira está pronta para uma tempestade?

Não sei se vocês estão acompanhados os indicadores econômicos, mas nos últimos meses a coisa tem ficado difícil para o Brasil. Fora a inflação que já vem preocupando o governo há um tempo, temos a alta de juros que tem previsão de manter essa tendência ao longo do ano, um PIB ridículo novamente deve acontecer esse ano, a alta do dólar está começando a prejudicar o mercado (apesar da Dilma dizer que “tem bala na agulha” para conter o dólar) e indícios que a Petrobrás não vai conseguir por muito tempo segurar o preço da gasolina, indicam momentos turbulentos pela frente.

Tempestade-no-mar

Infelizmente nosso governo de última hora (e os anteriores também), não fez e não está dando a devida importância para as reformas que deveriam ser feitas, para o aperto nas contas públicas, para conter a corrupção e mais uma infinidade de problemas. Com isso estamos na mão de Deus, da força de vontade de nosso povo e também na persistência dos empresários. Circulando por médias e grandes empresas, o que se ouve é que alguns cortes começaram a ser feitos o que deve começar a impactar negativamente a nossa economia nos próximos meses.

Economia não é meu forte nem especialidade, porém em todo momento de risco existe um monte de oportunidades. Para quem está preparado. Para quem dedica tempo para aprender a gerar valor no seu emprego, na sua empresa. Ao invés de sair e ficar chorando ou olhando de camarote o que está acontecendo, o que você está fazendo para evitar que o “PIC – Produto Interno da sua Carreira” não seja um “piquinho”?

Se seu tempo está só focado em sobreviver, na primeira marola, você vai estar cansado de nadar e pode se afogar. Agora se você está se preparando, com cursos, desenvolvendo seu networking, desenvolvendo projetos de alto impacto para a organização, você tem muitas oportunidades pela frente. Contra resultados reais não há argumentos.

Pense hoje o que sua carreira precisa fazer para estar preparada para os bons momentos e para os maus momentos também. Hoje é o dia de começar as suas “reformas” e seus “aprimoramentos” para que não fique como o governo: correndo atrás do prejuízo, sempre na urgência.

7 formas de detonar sua carreira

Já parou para pensar nas coisas que aos poucos podem destruir sua carreira? Tem gente que investe um tempo desenvolvendo certas “competências” para se “auto detonar”. Existem pequenas coisas que fazemos que são tão tóxicas para a carreira quanto camarão para quem tem alergia. Pincei algumas para esse post:

Falta de comunicação – Quem não se comunica, delega com mais dificuldade, não é claro em suas posições gerando ruído nas atividades, além disso, perde a confiança e credibilidade perante seus pares. Uma comunicação aberta, produtiva e honesta é essencial desde simples delegações, reuniões até negociações que fazemos todos os dias em nosso trabalho.

Não desenvolver networking – Ninguém chega a lugar algum sozinho, por mais inteligente e brilhante que seja. A habilidade de criar e manter relacionamentos, profissionais e pessoais é essencial para quem quer desenvolver uma carreira de sucesso.

Ser incapaz de fazer apresentações – Sabe uma característica comum que executivos e líderes de sucesso tem em comum? Habilidade de fazer apresentações! Sejam públicas ou privadas. Não precisa ser perfeito nem estar totalmente confortável com a situação, o importante é fazer. Já vi gestores perderem oportunidades de crescer na carreira, pelo fato de não serem capazes de apresentar projetos dentro da própria empresa.

bombanucelar

Ser desleal – Existem certos valores que não precisam ser discutidos, mas tem gente que faz de tudo para crescer a qualquer custo. Quem acha que vale derrubar o outro para subir, uma hora vai ter um retorno. O mundo é pequeno demais e hoje em dia, rápido. Ser íntegro, leal, honesto são coisas que deveriam ser indiscutíveis.

Achar que sabe tudo – Se você acha que sabe tudo e não precisa aprender, você descobriu a forma perfeita de enterrar sua carreira. Aprender é uma constante, nunca acaba. Eu tive a maior lição de humildade e sabedoria da minha vida, quando o CEO da Toyota se dispôs a passar 4h comigo para um treinamento de produtividade. Ele não estava apenas aprendendo a ser produtivo, estava dando uma lição de como liderar: pelo próprio exemplo.

Marcar território – Depois que meu filho ganhou umas porquinhas da índia, meu gato começou a fazer xixi fora do lugar e principalmente na areia das porquinhas. O veterinário disse que ele estava marcando território, dizendo que ali ele é o rei. Não vi melhor exemplo do que esse. Com certeza você conhece pessoas que “marcam território” no trabalho, que fazem coisas estúpidas ou inexplicáveis só pelo fato de querer dizer quem manda ou quem esta ali há mais tempo.

Improdutividade – Sem dúvida uma coisa que deixa uma marca na carreira é a falta de produtividade. É aquela pessoa que não entrega, que está sempre atrasada, cheia de e-mails, desorganizada, perdida e que coloca todo mundo na urgência. Você chamaria uma pessoa assim para gerenciar uma equipe?

Competências são desenvolvidas com treinamento, mentoring, coaching, atitudes e oportunidades. Você cria padrões de comportamento que dizem muito sobre você e sobre sua carreira. Pare para pensar, será que a sua carreira estacionou porque a empresa não enxerga você ou será que são as suas competências que estão enterrando você na areia?

Bbom, TelexFree, Polishop: vale a pena investir seu tempo no marketing multi nível?

Dando continuidade aquele post que falei sobre como trabalhar poucas horas na semana, quero falar sobre essa onde de empresas que usam o modelo de Marketing Multi Nível (MMN) e também o mercado de afiliados (que publicarei em post separado na próxima semana).

1 – Marketing Multi Nível

Em primeiro lugar, eu não estou aqui para recomendar ou criticar algo. Cada um tem que avaliar o que acha, se é condizente com sua vida, possibilidades e princípios antes de tomar a decisão.

Hoje no mercado, proliferou uma série de empresas que estão usando esse mmnmodelo de venda para seus negócios, que não é algo novo, na verdade existe desde 1941. Marketing multi nível (MMN) é uma forma de venda de produtos ou serviços, através de uma rede de pessoas. Você se filia a algum vendedor, você pode recrutar outros vendedores, ganhar uma comissão sobre as vendas deles e assim por diante. Isso é lícito quando se tem algo realmente a vender e todos ganham.

Agora existe o conceito do esquema de pirâmides, que basicamente ganha dinheiro pela movimentação e recrutamento de novos filiados para a rede, sendo que na maior parte das vezes não vende nenhum produto/serviço de fato, pois o ganho está apenas no próprio esquema da montagem da rede. Chega uma hora que esse modelo quebra e as pessoas perdem dinheiro, isso é ilegal e pode dar cadeia. O Fantástico recentemente fez uma matéria sobre as suspeitas da Telexfree, como uma empresa que usa esse esquema. Um amigo que faz parte da Telexfree disse que está muito feliz com o resultado e que é apenas intriga da oposição.

Se você se afiliar a uma empresa séria, com bons produtos ou serviços, de credibilidade no mercado, baixo índice de reclamações e alto nível de solução (porque toda empresa não importa qual seja o setor vai ter reclamação) pode ser uma alternativa para fazer um dinheiro extra.

Como eu não participo de nenhuma operação de MMN, não sabia dizer se é um negócio realmente bom ou ruim. Então pedi no meu Facebook alguns depoimentos e tive os dois lados da moeda. Junto com esses depoimentos preparei algumas dicas sobre esse mercado:

  • Antes de entrar de cabeça em alguma operação de MMN, veja se você tem condições de tempo e dinheiro para entrar nesse negócio, pois são duas grandezas que serão exigidas de você. Se estiver no limite em alguma delas, talvez seja o momento de repensar.
  • Pesquise empresas, órgãos e associações como Reclame Aqui, ABVED, Procon, etc. antes de colocar seu nome vinculado a alguma empresa
  • Consulte amigos e colegas que tiveram boas e más experiências antes de tomar sua decisão
  • Todo negócio exige dedicação para dar resultado, por isso, se entrar, crie um bom plano de ação, defina uma meta para sua participação, crie um monitor com indicadores com seus resultados e planeje. Reserve um dia fixo na semana para “revisar a estratégia desse plano”, bem como dias para vendas e apresentações. Tenha um limite, senão vai prejudicar outras áreas da sua vida.
  • Tente automatizar ao máximo sua operação, pense nas coisas que faz repetitivamente em geral são perfeitas para serem automatizadas de alguma forma.
  • Não seja chato com o mundo, não é porque você bebe suco de tomate que todo mundo tem de beber também. Pegue leve, as melhores vendas, são as de influência não as de insistência. É a diferença entre vender uma vez e vender sempre.
  • Não arrisque tudo na mesma cesta. Não é legal sair do emprego e entrar de cabeça. Vá aos poucos, sinta o resultado e quando tiver uma rede de segurança, ai sim pode pular. Dê tempo ao tempo.
  • Milagres acontecem, mas só Deus para fazer. Não ache que vai trabalhar uma hora por semana e ganhar R$ 100 mil por mês. Com bons produtos e serviços, você terá mercado garantido, porém exige esforço, envolvimento e persistência.

Veja os depoimentos na íntegra, de duas pessoas que falei pelo Facebook (pode entrar na minha lista de amigos e procurá-los diretamente se quiser):

Adriano Pena

Eu sou educador financeiro e pequeno empresário e estou sempre a procura de novas maneiras de geração de renda para o meu portfólio financeiro. Quando escutei falar do MMN achei interessante e promissor, quando feito da maneira correta, sustentável e responsável, nada de pirâmides financeiras. Esses foram os motivos que me levaram a entrar no negócio.

Este é um negócio em paralelo ao meu negócio atual, por isso, não tenho dedicado o tempo que gostaria para que o negócio cresça, mas em média dedico cerca de 10 horas por semana de segunda a sexta e eventualmente 3 horas nos sábados.

Para vender utilizo Internet (facebook e twitter) e contatos pessoais com amigos, parentes etc. pessoas do meu relacionamento. Tenho pretensões de pelo menos dobrar o tempo dedicado ao negócio até o final do ano.

Ainda não tenho resultados financeiros satisfatórios, mas acredito que dentro de mais um ano posso colher os resultados que imagino.

OBS. Entrei na Polishop por entender ser uma empresa séria com ótimos produtos e oportunidades. Existem outras empresas do MMN que também se enquadram nesses requisitos, como por exemplo: RACCO, AVON, NATURA, CIDIZ etc. Mas, em minha opinião BBOM, TELEXFREE, BLACKDEVER, PRIPLES são pirâmides financeiras disfarçadas de MMN. Isso acontece porque o MMN ainda é novo no Brasil e o brasileiro tem a cultura de querer ganhar dinheiro sem fazer nada, assim esse tipo de coisa ainda pega por aqui.

Sempre falo para as pessoas que desejam entrar no MMN que busquem informações no site da ABEVD. Em minha opinião este é o primeiro sinal de que o MMN está sendo feito da maneira correta.

Foi um grande prazer poder contribuir para seu texto, espero que possa ter ajudado. Conheço seu trabalho e admiro muito. Quando precisar pode contar comigo!

Luiz Carlos Do Nascimento

1 – Por que você escolheu entrar no mercado de MMN?

Ganho 100%

2 – Quanto tempo em média você dedica semanalmente para esse negócio?

Menos de 5h.

3 – A escolha do MMN fez você sair do emprego e trabalhar de casa ou consegue conciliar os dois?

Não Precisei sair do Emprego,Concilio bem as duas funções.

4 – Que meios você utiliza para vender seus produtos? Internet, visitas, call center, etc??

Demonstro o produto pessoalmente.

5 – Os resultados são satisfatórios para você?

Sim, sem muito esforço em 10 dias fiz quase um salario mínimo liquido de lucro. Vou continuar.

Como qualquer coisa na vida, exige uma boa dose de avaliação e ponderação. Não tenha pressa para tomar sua decisão.

Crie tempo para aprender

O mercado está cheio de vagas, o problema é preencher as vagas com gente boa. O que acaba acontecendo é o conformismo. As empresas contratam pessoas para “tapar buracos” com um baixo de nível de competência e alto nível de petulância. Estamos repletos de “King of Black Cocada” (reis da cocada preta) que se acham mais que tudo e não são capazes de redigir um e-mail corretamente, pensar ao invés de seguir alguém, de ter uma ideia ao invés de copiar, de ter um pensamento crítico bem formulado sobre algo. De gerar resultados de fato ao invés de só enrolar.

pavao-azul-cauda-verde

Com certeza você conhece alguém assim na mesa do lado, no cliente, no fornecedor, talvez esse alguém seja você mesmo. E o mais interessante desse quadro é que muitas pessoas não fazem isso por mal, é por medo mesmo, de perder o emprego, de arriscar, de ousar, de não saber o que fazer.

Infelizmente não é apenas no vídeo game, no bar, na badala, na TV que vamos melhorar. Lazer é fundamental e precisa estar presente, mas é preciso também investir seriamente seu tempo na carreira, no estudo, no desenvolvimento, no futuro.

Comece fazendo uma matemática simples: quantos livros você lê por mês? Quantos cursos faz por ano? Quantas palestras assiste? Quantas revistas você assina e lê? Quantos blogs lê de verdade? Se a conta deu menos que três é preciso se preocupar.

Arrume tempo para ler, para investir em você! Não ache uma desculpa, ache formas de fazer isso:

  • Compre pelo menos um livro HOJE para ler nos próximos 60 dias, coloque esse livro no banheiro, no carro, do lado cama, no escritório, na bolsa e aproveite cada minuto que sobrar para ler
  • Assista mais cursos ou palestras online, vários deles tem a opção de baixar o áudio, grave no pen drive e coloque no seu carro, no seu celular ou em qualquer lugar que possa ouvir enquanto não pode fazer mais nada.
  • Escolha um curso para fazer nos próximos seis meses, seja online ou presencial, mas procure algo que possa ajudar você a pensar fora da caixa ou melhorar sua carreira atual
  • Escolha um blog para ler e selecione três artigos para ler nos próximos 10 dias, se for o caso mande para o seu celular esse texto para ler no trânsito
  • Procure almoçar, happy hour ou mesmo tomar um café com pessoas do seu networking que ajudem você a aprimorar suas competências ou a ter insights

Se concordar com essa ideia do post, compartilhe com seus colegas, vamos ajudar o mundo a ter mais gente legal, inteligente, que ajude nossas empresas e País a prosperarem com sabedoria e qualidade.

Dia do Palestrante – Verdades & Mentiras

.R.BOMFIM._0032

Ontem foi o dia do Palestrante!!!! Nem sabia que isso existia, mas os palestrantes também têm seu dia. O fato é que está na moda ser palestrante hoje em dia, parece que todo profissional sonha em viver de fazer palestras algum dia. Algumas pessoas já me enviaram e-mails perguntando um “How-to” para ser um palestrante, não sou o cara mais especializado no assunto (sou empresário e não palestrante!), mas faço palestras há muito tempo e posso tirar algumas dúvidas, dar algumas dicas, críticas e sugestões:

1 – Dá dinheiro ser palestrante?

SIM e NÃO, como em qualquer profissão. Os medíocres não vão conseguir passar de seus R$ 3 mil MENSAIS (melhor ficar no seu emprego que tem mais segurança!), alguns chegarão na faixa de R$ 5 mil/ palestra, outros vão conseguir se destacar na mídia, vender livros e chegar na faixa dos R$ 10 mil/palestra, outros vão ser os “TOPs” como meu ilustre amigo Roberto Justus, que chega a cobrar R$ 90mil/palestra. Dá pra ganhar dinheiro? Sim, mas são poucos que conseguem após 3 anos de estrada se posicionar no mercado e ter uma renda estável mensal. Posso dizer que no Brasil, 5% dos palestrantes ganham dinheiro, 20% vivem bem e os 75% que sobraram é resto! Particularmente, acho um grande risco viver de palestra se você estiver começando!

2 – Qualquer um pode ser palestrante?

NÃO! NÃO e NÃO!!!! Incrível como as pessoas não tem senso crítico e acham que podem subir no palco e falar um monte de besteiras. O processo é assim: o figura lê uns 3 livros sobre alguma coisa, vê umas duas palestras de alguém e sai falando do assunto (e de outros que ele acha que sabe também). Na minha área então, o que existe de verdadeiros cretinos falando de administração de tempo verdadeiras besteiras não tem igual, mas tem gente que compra esse tipo de palestrante.

3 – O que fazer para ser palestrante?

Estudar, pesquisar, testar, implantar, viver aquilo que ele fala, ter cases de Palhaco_01_Final sucesso. Isso significa que eu NÃO ACREDITO NO PALESTRANTE GENÉRICO, ou seja, o cara que fala de administração de tempo, finanças pessoais, motivação, gestão de riscos, aposentadoria, segurança no varejo, gestão do conhecimento, tudo isso ao mesmo tempo. Ele não é apenas palestrante, é um grande ATOR!!!! Impossível ter experiência verdadeira em tantos campos de atuação, ter pesquisas, cases, coisas reais e não apenas coisas que ele leu em algum lugar para falar sobre o assunto. A linha tênue que divide o palestrante do ator é mínima.

Eu só falo sobre assuntos relacionados à administração do tempo, colaboração e produtividade! Estudo esses temas há mais de 10 anos, tenho cases, fiz sistemas, implantei em clientes, tive erros, insucessos e muito coisa boa pra contar. Eu já perdi muito dinheiro de gente que pede palestra sobre motivação, marketing digital, estratégia corporativa, etc. (você não tem idéia de como isso acontece). Eu só falo de coisas que eu vivi, que tenho experiência prática e que eu aplico no meu dia-a-dia. Eu posso falar de produtividade para Líderes, mas não sobre Liderança! FOCO, se torne uma referência! Esse é um segredo para um bom palestrante.

Resumindo: quer ser palestrante? Estude, aplique, tenha muitos cases de sucesso e de falhas também. Escreva artigos, um blog, um livro. Comece a sair na imprensa, invista no seu marketing pessoal e no networking. Um curso de oratória e PNL são altamente indicados, pois ajudam você a ter maior presença de palco também.

4 – Quais os principais erros do Palestrante Iniciante?

A) Material de Qualidade Normal – Se você está começando, precisa ter diferencial a começar pelo seu material. Seus slides são simples? Templates do Power Point? Esqueça isso! Vale a pena investir em uma empresa de marketing que faça isso para você. Eu tenho uma empresa que faz todas as minhas palestras, alugam imagens, sons, animações, etc. quem quiser me manda um e-mail que indico.

B) Palestra GRÁTIS – Essa é típica, uma vez estava vindo de um evento com o Max Gehringer e ele disse exatamente isso: “palestrante não pode fazer palestra de graça, tem de se valorizar”. Ai vem os que dizem: “é pra pegar experiência”, essa afirmação é valida no começo (bem começo), depois cobre, se valorize. Eu cobro, só faço palestra grátis se tiver alto valor agregado para Triad e gere retorno de outra forma.

C) Não se preparar adequadamente – Pior que uma palestra ruim é um palestrante sem credibilidade. Esteja preparado para tudo, até para as perguntas mais esquisitas e os problemas mais imprevisíveis.

D) Não registrar seu conteúdo – Se no começo você sai distribuindo para todo mundo pode ser facilmente copiado e esquecido. Tenho um amigo que teve sua palestra transformada em um livro por outro cara e ele não pode fazer nada (o livro vendeu bem….). Todo meu conteúdo é registrado no Brasil, EUA e Europa. Se copiar sem seguir as diretrizes de direitos autorais, pode ser processado. Muitas pessoas de RH pedem material para eventos internos, mas nesse caso sempre citam a fonte e isso gera leads para a Triad..

Bem, tem muita mais coisa. Se o assunto gerar mais interesse depois volto nesse assunto com mais dicas e sugestões. Qualquer dúvida adicional manda um comentário que respondo em outro post!

Profissionais sem FOCO

foco

Foco não é uma coisa muito fácil de ter e manter, mas sem ele a produtividade vai literalmente para o ralo. Um profissional sem foco em uma equipe é um problema, por diversas razões, entre elas, ele é o primeiro a desfocar outros bons profissionais também. Sua baixa performance parece aos olhos dos outros profissionais, “bem vista”, se o líder não der um feedback pontual sobre o assunto.

O profissional sem foco é aquele que chega logo cedo na sua mesa e fala: “fiz tal coisa”, “você viu aquele assunto x?”, “nossa isso aqui ficou muito legal”, etc. Quando esse profissional faz alguma coisa ele gosta de mostrar aos quatro cantos, pra dizer que algo foi feito.

Eu coloco uma frase no meu MSN, de um autor que desconheço que acho fantástica, e que precisamos pregar na empresa para os desfocados:

Quem quer fazer faz! Quem não quer, arruma uma desculpa.”

Profissional sem foco não é má pessoa, muito pelo contrário, na maioria dos casos ele nem percebe que perde seu foco e que mata o foco do time. Óbvio que existem os sem foco por má vontade e pura negligência, nesse caso é um profissional que precisa ser “deletado” da equipe.

Veja algumas dicas para lidar com profissionais sem foco na sua equipe:

1 – Dê um feedback franco e honesto sobre sua produtividade. Mencione a sua falta de foco com indicadores precisos.

2 – Ajude o desfocado a entrar na linha, você pode ser um guardião do foco alheio, para que a pessoa perceba seus momentos de perda de atenção e crie um hábito de policiamento pessoal.

3 – Planeje a semana com a pessoa, dê tarefas claras, com prazos limites e acompanhe esses prazos. Esteja aberto para que a própria pessoa negocie os prazos com você.

4 – Agenda uma tarefa para você verificar os itens do planejamento que foram feitos, elogie a conclusão e dê feedback caso as expectativas tenham ficado muito distantes da sua.

5 – Se nada adiantar é o momento de desligar a pessoa, por melhor que seja a capacidade profissional, a falta de foco consome o tempo do profissional e muitas vezes da equipe e isso é pior que encarar uma nova contratação.