5 formas de negociar prioridades

Seja com seu chefe, colega de trabalho ou cliente é importante ter clareza do que é prioritário de ser feito, caso contrário tudo vira urgente e você acaba se perdendo.

20081222-priority

Na experiência que estou fazendo de acordar mais cedo, para aumentar o nível de resultado, é nítido nos comentários das pessoas que estão aderindo à experiência que eles conseguem melhorias, pois simplesmente nessa hora adicional eles focam em prioridades reais, sem ninguém atrapalhar.

Selecionei 5 formas de você negociar e estabelecer prioridades. Claro que o assunto não termina aqui, mas é bom começo.

1 – Tenha controle do seu dia – Não adianta querer priorizar se você não tiver um planejamento, são coisas ligadas, mas que acontecem em uma ordem. Primeiro eu preciso puxar da cabeça tudo que tenho para fazer, depois eu planejo isso nos próximos 3-5 dias e ai eu priorizo diariamente o que deve ser feito primeiro e depois. Se você não sabe o que deve fazer e ficar apenas recebendo e-mails ou lembranças te dando ordens do que fazer você não vai conseguir priorizar de forma eficaz.

2 – Antecipe ao máximo – Sempre que possível não espere a prioridade virar urgência para fazer. Quanto mais antecedência você tiver, mais flexibilidade terá na hora de definir o momento certo de execução. Adiar uma prioridade que tem prazo para um momento de melhor performance pessoal é super saudável, o problema é quando você tem de fazer a prioridade porque é o limite da entrega.

3 – Negocie prioridades antes de serem urgências – Se você sabe que algumas prioridades dependem de terceiros, não espere que eles lembrem da prioridade na ultima hora. Você não pode mudar o modo das pessoas se planejarem, mas o seu planejamento pode inferir na boa produtividade de toda a equipe. Pequenos e-mails de lembrete ou de oferecimento de ajuda ajudam a relembrar a tarefa.

4 – Negocie com seu chefe – Eu não aceito quando delego uma tarefa e a pessoa simplesmente retorna: “não dá pra fazer”. Não dá por que? Quais as prioridades? É bem diferente quando eles chegam e falam: “eu estou com essas prioridades na semana, o que você acha que deve ser priorizado?”. O líder tem de saber o que é prioritário, ele junto com você pode negociar as prioridades e os prazos. Haverá dias que vai precisar de “tempo extra”, mas na maior parte dos casos deverá ser possível ajustar.

5 – Negocie com base no resultado – Se tiver dúvidas do que deve ser priorizado, eu sugiro “elevar” o questionamento para as metas, momento, visão ou missão da empresa. Precisa aumentar o faturamento? Priorize as atividades de faturamento. Precisa aumentar a qualidade de serviço? Priorize o atendimento ao cliente. Priorizar significa dar uma ordem de execução, não esquecer a atividade, por isso saber o momento certo de fazer se torna imprescindível nessa decisão.

Até a próxima!

Use seu tempo com sabedoria.

Como escrever seu livro? Parte 3 – Publicação

Este post vai explicar como você pode fazer para publicar seu livro. Como já falei antes, esse post é exclusivamente minha opinião ou o como eu fiz, o que não significa que “deve ser somente desse jeito”. Na parte 2, eu falei sobre o processo de criar o conteúdo do livro, neste post vou considerar que o livro está pronto.

Sim, o livro precisa estar pronto ou pelo menos bem no caminho delivroforno finalizar para uma editora dar crédito. Pensa assim: lançar um livro é um negócio de risco para a editora, eles tem de apostar em alguém, pagar todos os custos de revisão, capa, marketing e distribuição e correr o risco do livro encalhar na prateleira. Por isso, se você for uma pessoa desconhecida, a análise será muito mais criteriosa, se tiver algum tipo de visibilidade a coisa facilita, mas não resolve tudo. Se tiver só a idéia, ela não vale nada, por mais brilhante que seja, é apenas uma idéia.

1 – A escolha da Editora

Escolher a editora não é fácil, existem centenas de opções no mercado nacional. A editora é sua sócia no livro e como qualquer sociedade escolha bem, por isso cuidado com a escolha. Você não pode escolher uma editora porque ela simplesmente quer seu livro, você precisa pensar nos objetivos do seu livro e se ela tem a ver com o mercado do seu livro.

Se você escreveu um livro de negócios procurar uma editora de auto-ajuda pode ser um tiro no pé. Claro que hoje a maioria das editoras publica muitos estilos, mas ela é sempre mais forte em um ou outro tema e isso faz diferença no posicionamento com o livreiro. Por exemplo, nas editoras que tenho livro publicado:

Editora Gente – Começou com foco em auto-ajuda, ainda é o carro chefe, mas no último ano com a nova gestão andou fortalecendo e se posicionamento na área de negócios.  (Você Dona do Seu Tempo)

Editora Agir – É do Grupo da Ediouro (se não me engano o maior do País), seu foco atual são os livros de negócios. (Estou em Reunião)

Editora Thomas Nelson – É uma editora Americana que tem participação do Grupo da Ediouro, publica livros de auto-ajuda, finanças  e negócios. (Mais Tempo Mais Dinheiro)

Editora Campus – É a Premium no segmento de gestão/negócios/educacional, publica os principais nomes americanos. São livros caro, para um público premium.  (A Tríade do Tempo)

Quando eu estava no Capítulo 7 do Livro A Tríade do Tempo, eu não tinha uma editora, nunca ninguém tinha ouvido falar do meu nome, mas eu tinha um sonho gigante de publicar esse livro. O que eu fiz foi listar as 10 editoras de negócio com sites com contato (não conhecia ninguém da área) e comecei a enviar e-mail com um pequeno sumário do meu livro. Na época das 10, apenas 1 me respondeu (depois de enviar pelo menos uns 10 e-mails para cada editora), marquei uma reunião com o Editor (o cara que lê e aprova ou rejeita o livro) e ele gostou do que leu. Falou que ia ler o livro e me enviaria uma proposta.

Nesse meio tempo, eu continue escrevendo e conheci no Empretec uma pessoa que se tornou um grande amigo e que admiro, Ricardo Galuppo. Que é um dos grandes jornalistas desse País, passando por chefias nas Revistas Veja, Exame, Forbes e hoje Brasil Econômico. Na época ele estava sendo o Ghost Writer (cara que escreve por outra pessoa) do Abílio Diniz. Como conheci O CARA, eu pedi a gentileza (como nunca tinha escrito nada) dele revisar um capítulo do meu livro e dizer se estava ou não legal. Ele revisou e gostou tanto que revisou o livro inteiro e não só isso, me indicou para o Editor da Campus (Marcelo Mello – hoje companheiro de blog na HSM) que leu o livro e gostou.

Na época eu tinha 23 anos, cara de criança e um livro na mão. O Marcello delicadamente disse: “legal, mas na hora da capa você se importa de não ter sua foto? Porque se o pessoal ver sua cara de criança não vão dar credibilidade. É melhor o cara ler e não ver, nesse caso!” E assim foi, deu certo e hoje tenho 4 livros e um saindo forno.

2 – A negociação com a Editora

Quando a editora aprovar seu livro, eles vão enviar um contrato e ai a coisa começa. Quem acha que vai ficar milionário com livros é negociacao melhor repensar a idéia.

Em geral em uma primeira negociação com um autor desconhecido a editora vai te pagar no máximo uns 8% sobre o valor de capa do livro.

Isso significa que se seu livro sair na livraria por R$ 30,00 você irá receber R$ 2,4/livro e ainda precisa descontar os impostos desse valor (PJ ou PF). Aliás o preço de capa do seu livro, deveria estar na discussão inicial do contrato, quem decide isso é a editora, mas você pode tentar influenciar.

As editoras pagam em média a cada quatro meses ou seis meses, eles apuram as vendas, diminuem de devoluções, descontam os impostos e depositam na sua conta. Ou seja, no começo você vai receber pela venda dos seus livros 2 ou 3 vezes no ano! E olhe lá!

Outro ponto interessante a observar no contrato são as cláusulas de rescisão, internacionalização, distribuição de conteúdo em seus próprios cursos ou textos e marketing.

Esse último tópico é importante, pois sem marketing um livro raramente sai do lugar. No meu primeiro livro o marketing foi praticamente zero, ou seja, põe na livraria e vê o que acontece. Hoje é uma das coisas que brigo na negociação e o que me faz decidir por uma ou outra editora.

Esse é assunto grande, vou abordar no último post dessa série, falando especificamente sobre marketing do livro, marketing pessoal, buzz, ações de web e etc. Até!