Anúncios

Por que fazer aquilo que você ama nem sempre funciona?

Quem não conhece alguém que vive dizendo que precisa mudar de vida, buscar aquilo que realmente ama e passar a viver de acordo com a frase célebre de Confúcio: “Ache um trabalho que você ame e nunca mais precisará trabalhar na vida”?

I Love My Job

O conceito é legal, a ideia motiva, mas na prática não é bem assim que funciona. De que adianta amar Surfar 24h por dia e na prática não conseguir recursos que mantenham outros sonhos rodando? De que adianta ser altruísta e largar a vida para ajudar os outros enquanto você nem ajuda a si próprio?

Você pode achar duro mas é a realidade. Talvez você não consiga ser tão bom fazendo aquilo que ama fazer, talvez a coisa que ama não gere recursos financeiros que permitam você se sustentar com o mínimo de conforto ou talvez você seja até ruim em fazer o que ama. Sei lá! Não é porque ama que vai dar certo.

Vamos parar com essa hipocrisia moderna sobre queimar as suas pontes para ir a um novo lugar, totalmente focado no que você ama de verdade. Largar sua carreira de executivo para virar filósofo ou jardineiro, pode funcionar para algumas pessoas, mas são exceções das exceções. Para a maior parte das pessoas essa ideologia acaba em frustração, privação e arrependimento.

Christian, então você quer dizer que devo ficar onde estou, mesmo não gostando? Claro que não! Se não está legal, é óbvio que precisa mudar. O que estou dizendo é para escolher algo que você faça muito bem e deixe você feliz de verdade, orgulhoso do seu trabalho e com isso gere recursos, tempo e energia para vivenciar as coisas que ama com periodicidade.

Você não precisa ser igual a esse monte de gente falsamente feliz, que vende uma imagem de que largou tudo, virou pescador e agora é a pessoa mais realizada do mundo. É necessário que você entenda que é muito mais fácil se dedicar a um dom que você já tenha para gerar resultados, pois assim você conquistará seu equilíbrio muito mais facilmente.

Eu amava falar sobre produtividade, mas quando larguei a T.I. para me dedicar a esse assunto, eu já tinha estabilidade e independência financeira, não dependia do meu “amor sobre produtividade” para viver. Caso contrário estaria frustrado e quebrado! Leva tempo para as coisas acontecerem e a maior parte das pessoas não tem esse tempo, planejamento e até mesmo dinheiro para tentar viver pelo que ama. Por isso encontre aquilo que você faz bem, que te faz feliz e use isso para então viver pelo que ama.  Entendeu a diferença?

O que você faz muito bem? O que seus talentos executam com um nível de diferencial que permite você se destacar no seu mercado? O que você faz que gera um retorno financeiro sem matar seu equilíbrio pessoal? Foque nos seus dons e através deles viva pelo que ama! Isso faz você ser próspero de verdade e não um hipócrita que vive sem trabalhar todos os dias!

Anúncios

6 sintomas que você está sacrificando sua vida pelo trabalho

Que muita gente não tem tempo a gente já sabe. O problema é quando as pessoas sem tempo, começam a sacrificar sua vida em busca de algum resultado (que na maioria das vezes nem ela sabe o que é). Quando a vida se torna frenética, deixamos de lado o ato de viver e adotamos o ato de correr como padrão. Selecionei seis sintomas clássicos das pessoas que estão sacrificando demais, na busca de algo. Se você tiver três desses sintomas é o momento de repensar seu tempo. Se tiver quatro ou mais é realmente a hora de dar um basta. Procure um coach, um curso de produtividade pessoal, peça ajuda de familiares ou invista em hobbies. Pequenas coisas podem ajudar muito a mudar esse estilo de vida.

escravodotrabalho

1 – Ansiedade e Estresse

Existem pessoas que vivem estressadas e ansiosas mesmo quando não estão trabalhando, em momentos familiares ou de lazer. O estresse do trabalha, a falta de tempo não deixa a pessoa se desligar dos problemas e esses momentos pessoais acabam não sendo produtivos.

2 – Esporte se torna miragem

Quando a pessoa está sem tempo uma das primeiras coisas que ela começa a adiar é seu tempo para a prática de esportes. É mais fácil deixar de ir na academia do que dizer não para aquele trabalho de última hora. Só que ai entramos na síndrome de Tostines: a pessoa fica mais improdutiva porque não faz esporte ou ela não faz esporte porque sua produtividade não libera esse tempo?

3 – Leitura para decoração

A quantidade de livros comprados e estacionados na estante aumenta muito quando a pessoa está sem tempo. Não pelo fato de que ela não seja capaz de encaixar quinze minutos diárias para leitura, pois isso todo mundo consegue, mas porque ela está tão cansada de uma rotina exaustiva que não sobra energia para qualquer outra coisa.

4 – Perda na qualidade dos relacionamentos

Isolamento é uma palavra forte, mas ele existe em diversos degraus quando comprometemos nosso tempo pessoal. No começo, são os happy hours que você deixa de ir porque estava em reunião, depois os aniversários porque você está sem pique, depois o jantar com a namorada vira opcional e quando você dá conta, ninguém te convida para mais nada, nem nos e-mails da galera você é mais copiado. Você começa a sentir que está sendo colocado de lado e a resposta é avançar degraus nesse isolamento.

5 – Estranho no Lazer

No final de semana, nas emendas, nas férias você se sente um estranho no ninho? Como se tivesse culpa de não estar fazendo nada? Fica com vergonha de estar na fila do cinema no mesmo shopping que a equipe vai almoçar, quando está de folga? Se o lazer traz um pouco de culpa, sentimento de falta ou de que precisa de algo mais, aqui temos mais um sintoma que você está sacrificando sua vida pelo resultado.

6 – Disponibilidade Total

Outro sintoma clássico das pessoas que “trabalham para viver” é a incapacidade de desligar: os avisos de chegada de e-mails, colocar o celular no silencioso, avisos de whatsup, etc. Coisas estranhas se tornam normais: responder e-mails por volta das 23h, fazer um skype com seu chefe na sua cama ou pensar nas tarefas de amanhã enquanto está fazendo sexo. Coisas desse tipo são perfeitos sintomas que você se tornou escravo da vida. Quando você se torna a pessoa sempre disponível, pronta para qualquer coisa a qualquer hora, sempre em estado de alerta, é o momento de realmente repensar, pois você ficou indisponível para você mesmo!

Trabalhar poucas horas na semana é possível?

Recebi essa pergunta por e-mail semana passada e achei interessante de escrever sobre, pois é algo que tem se tornado uma questão comum. A resposta para essa pergunta depende do seu nível de coragem.

Não é possível trabalhar poucas horas na semana se você estiver com o “mindset” de “carteira de trabalho”. O trabalho tradicional não permite você ter um estilo de vida, onde você trabalhe poucas horas na semana. E tão pouco o empreendedorismo tradicional que na verdade cria um trabalho tradicional.

Acho que o primeiro passo para criar uma nova forma de trabalho é definir, o quanto é suficiente de ganhos mensais para você ter uma vida confortável, com espaço para investimentos e correr alguns riscos. Chegando nesse número, aumente em 30% essa quantia. Afinal, temos a tendência de subestimar nossos gastos e superestimar nossas economias, o que na prática se mostra totalmente errado.

Feito isso você precisa achar um nicho de mercado, com base em sua expertise ou até algo novo que possa adquirir conhecimento, que permita gerar essa renda com poucas horas por semana. E não precisa ser político para fazer isso acontecer. A questão não é trabalhar muito, até a última gota de suor, mas trabalhar de forma mais inteligente e com outro ritmo.

work-smarter-not-harder

Cada vez que eu volto dos EUA, vejo o quanto esse mercado de “trabalho reduzido” está crescendo. Nesta viagem, conheci uma mulher, que saiu da agência de marketing que trabalhava e decidiu fazer apenas trabalhos avulsos. Ela reduziu sua carga horária para 20 horas semanais e consegue faturar mais do que quando trabalhava na empresa.

Eu tive um funcionário há um tempo atrás que largou a área de vendas de software para ser instrutor de mergulho alguns dias na semana em Búzios. Tem casos e mais casos de pessoas que ganham dinheiro com blogs, comissão de produtos, trabalhos criativos, infoprodutos, investimentos, etc. O MercadoLivre é nosso cliente e ouvi historias de pessoas que ganham muito dinheiro, muito mesmo, só fazendo vendas pelas Internet sem sair de casa.

Possível é, mas não é para todos. A segurança da carteira de trabalho é dura de vencer. Outras pessoas simplesmente não tem esse estilo. Eu por exemplo, gosto de trabalhar, gosto de ter a empresa, funcionários, os desafios, os problemas e os concorrentes. É uma adrenalina que eu curto.

Identifique seu perfil, ache um nicho de mercado, desenvolva um bom produto com uma boa estratégia. Teste a ideia com a segurança do seu trabalho, a hora que sentir que pode dar o próximo passo, procure estratégias para automatizar ao máximo o negócio (vendas, atendimento, faturamento, suporte) e tome coragem! Se você não tentar como vai saber se poderia ter dado certo?

Deixe seu comentário sobre esse tema, se tiver bastante interesse vou voltar nesse tema com mais detalhes.

Até a próxima!

4 dias de trabalho/semana

Enquanto a gente anda trabalhando cada vez mais ai no Brasil, aqui nos EUA estão ficando sérias as discussões de trabalhar 4 dias por semana ao invés de 5 dias.

Logo no início do curso já ouvi comentários que a forma de ter mais hora_extra tempo é ter menos tempo (for more time, less time!), ou seja, fazendo uma carga horário de trabalho menor a pessoa conseguirá ter mais tempo livre para si mesma.

Descobriram por aqui que um dia na semana é realmente desperdiçado se somarmos todo o gasto de tempo desfocado que temos. A idéia não é nem reduzir o volume de trabalho nem o salário, mas “get focused”.

Alguns sindicatos estão se mobilizando coletivamente para adotar o novo padrão, as empresas, por incrível que pareçam estão gostando da idéia, pois isso significa menos gasto e inclusive economia de gasolina para todos (o que só se fala por aqui é o preço atual da gasolina).

Será que a moda pega?

Depoimento de uma Workaholic

Recebi um e-mail interessante essa semana de uma mulher que entende sua paixão pelo trabalho, mas coloca isso como um desafio diário. O tema é interessante, vou voltar nele mais vezes:

Eu sou uma workaholic – adoro o que faço e tenho prazer de todo dia ir trabalhar, é um caso de paixão. E quanto mais problemas melhor, minha mente gosta de desafios, da oportunidade de resolver…. me lembro eu criança e minha mãe me colocando num curso de datilografia ( é pode rir… é do meu tempo….não muito longe – mas é!!!) que coisa monótona … diariamente tentando dedilhar ( ainda datilografo com todos eles) as benditas “asdfghjklç”. Num santo dia tive um insight – virei para o lado onde estava uma colega de escola com o mesmo ideal de se tornar uma exímia datilógrafa e saquei a pergunta: Vamos apostar quem se forma primeiro? Essa santa colega topou a empreitada… Quanta diferença , todos os dias queria chegar logo na datilografia e começar, me lembro do prazer, da satisfação. Na verdade o prazer nem foi de vencer.

O cenário era o mesmo mas a ação era diferente, eu estava olhando com outro foco.: a Paixão pelo desafio.

Hoje vejo pessoas trabalhando, ou melhor se arrastando, fazendo por fazer, sem paixão e acabam prejudicando uma única pessoa: A si próprias, pois se tornam “meia” felizes, “meia” satisfeitas, “meia” quaisquer coisas….É o princípio do ser inteiro- do envolvimento. O que nos impede, ou melhor o que precisamos fazer para termos paixão? Onde está aquela minúscula chave no celebro que nos tornam apaixonados? E não é pelo homem maravilhoso ( que achamos) ser nossa cara-metade, mas a paixão pelo simples prazer do dia-a-dia, de um trabalho realizado. Eu sempre digo : as pessoas estão perdendo o foco – mas é o foco no sentido do olhar – da análise daquilo que realizamos. Vale a pena olhar de novo, e se perguntar : é o melhor que eu poderia fazer para satisfazer a pessoa que mais amo? E quando pudermos responder um Sim – essa pessoa vai agradecer muito – e essa pessoa nada mais é que Nós Mesmas-

Maria de Fátima (tatamfa (arroba) gmail.com.br”