Anúncios

Quantas Horas Devemos trabalhar por mês?

Pesquisadores japoneses, da Chiba University, publicaram um estudo na revista Occupational Medicine, no qual procuraram estabelecer a influência do período de trabalho no risco de ocorrência de enfermidades psíquicas.

Os pesquisadores afirmam que o estabelecimento de um limite de horas, destinadas ao trabalho, é uma medida muito importante na proteção do indivíduo contra os efeitos nocivos causados pelas longas jornadas laborais.

clocks6

Participaram da pesquisa 715 trabalhadores, que foram avaliados quanto à presença de sintomas psiquiátricos, segundo escalas específicas pré-existentes. Os resultados divulgados revelaram que os participantes, que possuíam carga mensal de trabalho entre 260 e 279 horas, estavam sob maior risco de desenvolver manifestações de ansiedade, irritabilidade e fadiga crônica.

O grupo de trabalhadores, que destinava mais de 280 horas mensais às suas atividades laborais, evoluiu com maiores taxas de fadiga geral, distúrbios psíquicos, ansiedade e esgotamento profissional. Segundo o estudo a duração máxima do tempo destinado ao trabalho deve ser de 260 horas por mês.

Particularmente, eu acho esse um número um pouco exagerado. Particularmente, eu amo o que faço e o trabalho me dá um nível de realização que permite trabalhar 10 horas diárias sem exaustão (aproximadamente 220 horas mês). Considero-me um worklover e não um workaholic. Sei parar e equilibrar minhas horas com outras áreas importantes da minha vida e não fico sofrendo por estresse.

O problema é quando não sabemos a hora de parar e o trabalho se transforma em obsessão, gerando desconforto, estresse, pressão e infelicidade. Nesse caso é o momento de repensar a relação do trabalho X vida.

E você? Quantas horas trabalha por mês? Está conseguindo equilibrar seu tempo?

Anúncios

Empreendedores workaholics

Como o empreendedor deve lidar com a tão falada falta de tempo ocorrida devido a longas jornadas de trabalho que incluem também o final de semana?

workaholic2Em boa parte a culpa dessas longas jornadas de trabalho é a falta  de foco ou baixo índice de delegação. O volume de coisas que uma empresa demanda do empresário é enorme e sem um foco definido ele acaba se perdendo em uma série de atividades urgentes e circunstanciais, mas sem importância.

Para lidar com isso é preciso definir um foco de atuação para a semana, que deve estar conectado as metas da empresa. Deve-se dedicar pelo menos 2hs/diárias para planejar e executar esse objetivo. Pode-se envolver a equipe nesse processo também. Quanto maior o foco no importante, menor o volume de urgências e perda de tempo em atividades circunstanciais.

Outra dica importante é a delegação. O empreendedor precisa ter a consciência de que outras pessoas podem realizar o trabalho que ele faz. Ninguém é insubstituível. Isso não tira a sua responsabilidade, mas liberta-o para focar em outras atividades mais importantes. Se não é possível delegar, o crescimento da empresa estará diretamente ligado ao tempo do empreendedor, e ele pode ser bem limitado.

FINALMENTE – A SOLUÇÃO DEFINITIVA PARA QUEM GOSTA DE MULTI-TASKING

Se você é daquelas pessoas que vivem fazendo muitas coisas ao mesmo tempo e não tem tempo para equilibrar sua saúde, vai gostar dessa invenção do Dr. Levine, um nutricionista americano, que desenvolveu uma solução: uma esteira com notebook! Isso mesmo!

A invenção é um tipo de esteira de academias com um suporte para notebook, que permite através de um teclado especial controlar o computador sem perder o equilíbrio!

Meu Deus, isso é genial?! Agora teremos Nerds esportistas, ou pelo menos uma grande redução de workaholics cardíacos!!!! O que vocês acham disso?

Eu acredito que o mercado da falta de tempo é gigante e muitas oportunidades estão por aparecer, mas essa realmente é no mínimo polemica. Quem quiser, a esteira multi-task pode comprar por US$ 4.000 nos EUA.

multi-task

Trabalhar demais Mata

Foi publicada pela BBC Brasil uma pesquisa interessante sobre abusos na jornada de trabalho e seus efeitos (principalmente para mulheres). Eu já falei sobre isso diversas vezes aqui no blog, e deve ser o tema do artigo deste mês. Segue a matéria:

workaholic

Uma pesquisa do governo de Barcelona concluiu que uma jornada de trabalho de mais de 40 horas semanais causa danos físicos e emocionais à saúde, principalmente no caso das mulheres.
O estudo, que será publicado nesta semana na revista Scandinavian Journal of Work, Environment & Health, indicou que o excesso de horas de trabalho tem conseqüências como ansiedade, depressão e problemas cardíacos.
Os pesquisadores acompanharam 2.792 pessoas de diversas profissões e classes sociais durante um ano.
A Agência de Saúde Pública de Barcelona concluiu que as mulheres são as mais prejudicadas porque acumulam mais funções entre casa e trabalho e “emocionalmente respondem pior à pressão”.

Sono e ansiedade

De acordo com os cientistas, uma longa jornada de trabalho, a partir de 40 horas por semana, afeta os homens principalmente por meio de distúrbios no sono.
Já as mulheres mostram mais sintomas como hipertensão, ansiedade, aumento de probabilidade de fumar, restrição de outras atividades de ócio e de prática de exercício e uma insatisfação geral. Também foram observados transtornos psíquicos e hormonais.
A pesquisa chamada Perspectiva de gênero na análise da relação entre longas jornadas de trabalho, saúde e percepção do próprio estado de saúde, demonstrou que os homens têm cargas horárias maiores: 30,4% deles disseram trabalhar por mais de 40 horas, contra 17,1% de mulheres.
Mas as trabalhadoras dividem mais o tempo entre as tarefas domésticas e o trabalho fora de casa: 34,4% contra 9,2% de homens.

Classe

Em relação ao nível sócio-econômico, as mulheres de classes mais baixas são as que trabalham mais horas.
No caso dos homens é o contrário. Quanto mais alto o cargo de responsabilidade e o status salarial, maior é a carga horária. Na mesma proporção aumentam os riscos de problemas de saúde, já que segundo o estudo, são trabalhadores que dormem menos de seis horas ao dia.
Horas extras e falta de condições adequadas (baixos salários, excesso de pressão, carência de materiais, ambiente ruim) afetam a saúde das mulheres de pior qualificação profissional, principalmente do setor de serviços, segundo a pesquisa.
“As funcionárias de comércios, pequenas empresas, indústrias, bares e restaurantes são o coletivo mais vulnerável que precisaria de maior atenção pública em atividades de prevenção”, afirmaram os cientistas.
O estudo indicou ainda que as mulheres separadas e divorciadas triplicam as horas de trabalho comparadas com os homens no mesmo estado civil.